Se você tivesse que fazer um balanço da sua vida?

Se você tivesse que fazer um balanço da sua vida, até aqui, que análise você faria? Você tem realmente aproveitado esta oportunidade para evoluir? Ou está desperdiçando tempo, o seu bem mais valioso? Você acredita que veio ao mundo para viver em vão, sem um propósito? Será se o que você está acumulando em aprendizado e sabedoria está sendo útil para o seu progresso espiritual?

Observe se você tem serenidade, se demonstra tranquilidade diante da vida, se você se mantém em equilíbrio e em paz. Ou se você se encontra perturbado, confuso, inquieto e perdido em si mesmo. Em que altura da vida você está para, ainda, se sentir assim? Quantos anos já se passaram, e quantos anos te restam para você mudar esse estado e alcançar um balanço positivo, com uma percepção de que os ganhos sobrepuseram as perdas? Isto não significa que você mais acertou que errou. Mas que a cada erro, a cada decepção ou a cada perda, você teve um aprendizado tremendo e impagável, que compensou a dor vivida.

O sofrimento ainda nos acomete por causa da nossa resistência em evoluir. Porque insistimos em ser pequenos, em ter uma visão míope da vida. O entendimento da lei do universo traz possibilidades incríveis. Nos eleva a um nível de compreensão que nos desperta para o verdadeiro sentido de estar aqui. E nos dá uma diretriz, nos mostra um caminho mais curto para alcançar a nossa paz.

Precisamos aprender a expressar amor dosado de justiça, sabedoria e poder. Sem amor não há sabedoria, sem sabedoria não tem justiça e sem justiça não existe poder. Desenvolva essas virtudes, despertando o Cristo adormecido que habita em você. Comece a ouvi-lo. Ele é aquela vozinha que te diz: “olha, isso aí está errado, viu?” – Quando você agride alguma lei da vida.

Observe se, nas suas decisões, você está pensando só em si. Perceba se o egoísmo e o individualismo governam as suas atitudes. Quando você começar a se perguntar: “será se a minha maneira de ser está atrapalhando alguém? Está fazendo alguém sofrer? Se está, eu quero me educar” – é o Cristo se manifestando em você.

Desenvolver o Cristo interno não é fácil. Mas a oportunidade nos é dada, de escolher entre viver à margem da ilusão ou da sabedoria. Comece pelas pequenas coisas. Seja tolerante, compreensivo, paciente. Use de imparcialidade, não tome partido, não julgue.  Quando você se sente “mais” que outro, você se afasta da percepção do amor e da justiça. Deixe que o amor flua dentro de você e nenhuma força será capaz de te desmoronar.

Não aponte defeitos, não deprecie, não critique, não ironize. Trate as pessoas com decência e respeito. O seu Cristo Interno tem AMOR, SABEDORIA, JUSTIÇA E PODER. Desperte-o e desenvolva-o. Seja uma pessoa melhor, faça valer esse tempo, essa experiência, e veja que, naturalmente, independentemente dos seus problemas e das suas lutas, você terá paz, equilíbrio e alegria de viver.  Busque a sua evolução, tentando compreender a sua missão na Terra, o seu papel na vida. Não, o seu papel transitório, mas o seu papel imortal.

 

Foto: https://br.pinterest.com/pin/803822233460951298/

Gostou deste insight? Deixe seu comentário abaixo: