Você gosta de alguém que não gosta de você?

Você gosta de alguém que não gosta de você? Pior que isso: Alguém que te fez mal, te decepcionou, rompeu contigo ou te despreza?

Se a admiração é o que alimenta o amor e o mantém vivo, presume-se que você não admire uma pessoa que te machucou. Mas se ainda assim você continua gostando dessa pessoa e querendo fazer parte da vida dela, deve haver algo de errado.

Depois de Deus, a primeira pessoa que você tem que amar é você mesmo. Se isso lhe parece egoísta, alcance esse entendimento: você só é capaz de amar alguém, amando antes a si. Encha-se de amor por você para, então, doar o seu amor. De outra forma, você vai cobrar do outro o amor que você mesmo não tem. Como você espera que o outro enxergue em você um valor que você não reconhece em si?

Quando você zela pelo seu equilíbrio e integridade, você está se amando. Dê a si o respeito que você merece! Dedique tempo a você! Conheça-se, descubra-se! Há pessoas que vivem tanto à sombra do outro que se esquecem de quem são. E, após uma separação, mantêm hábitos que não são seus e continuam abastecendo a geladeira com alimentos que eram preferência do ex-cônjuge, porque elas mesmas não lembram o que gostam de comer! Portanto, perdem a identidade e se sentem perdidas.

Cultive a sua própria individualidade para melhor compreender a individualidade do outro. A “autossuficiência saudável” faz bem à relação. Não seja dependente, não deixe que o outro se sinta responsável por você. Nenhuma razão para estar junto deve estar associada à convenção, responsabilidade ou obrigação. Mas amor, respeito e admiração faz da união de duas pessoas, um estímulo extraordinário e perene.

Encontre na sua vida sentido e motivação. Tenha luz própria para não roubar a energia do outro. E antes de amar alguém, ame-se, para não reclamar amor e dedicação, julgando ser um direito suposto e obstruindo o curso natural e espontâneo dos sentimentos.

À medida que você mina o seu relacionamento com cobranças, você se torna uma pessoa chata, enfadonha e carente. Esse comportamento provoca reações de intolerância, apatia e desencantamento. Quanto mais evidente a sua vulnerabilidade, fragilidade, mais a outra pessoa se esquiva, evita o contato, pois isso te torna pouco atrativo.

Quem te fez mal ou te despreza, racionalmente, não merece a sua consideração. Traga essa lógica para a consciência e use a sua dor como trampolim na sua jornada evolutiva. Entenda como aprendizado para uma experiência melhor que está a caminho. Talvez você esteja com o ego ferido. Saia da posição de vítima e dê a volta por cima! Ame-se, mude para melhor e seja mais forte e independente. Foque em você! Tenha uma vida interessante! Torne-se uma pessoa interessante para outras pessoas quererem fazer parte da sua vida.

Foto: http://lyonsart.com/paintings/allie.jpg

Gostou deste insight? Deixe seu comentário abaixo: